Controle de Ponto e RH - Gestão de Pessoas

As 5 principais dúvidas sobre controle de ponto eletrônico

As fraudes no registro de ponto e os erros de contagem de horas trabalhadas na folha de pagamento dos colaboradores foram fatores decisivos para que algumas empresas abandonassem os métodos tradicionais e adotassem o sistema de controle de ponto eletrônico.

O surgimento dos REP (Relógio Eletrônico de Ponto) trouxe, também, diversas dúvidas para quem deseja instituir o sistema na empresa e até por aqueles que já o utilizam.

Listamos, abaixo, informações importantes sobre o sistema e as cinco principais dúvidas sobre o controle de ponto eletrônico. Acompanhe!

 

O que é REP?

O Relógio Eletrônico de Ponto é um sistema em que os colaboradores registram seus horários de entrada, saída e intervalos utilizando sistemas eletrônicos. Estes sistemas podem ser de diversas maneiras. Os mais comuns são:

  • Por inserção ou aproximação de crachá em um leitor instalado na catraca eletrônica;
  • Sistema de biometria em que o colaborador utiliza sua digital para registrar seu ponto, e
  • Por aplicativo, em que o registro acontece pelo smartphone do colaborador e que permite o acompanhamento em tempo real pelos gestores ou RH (também considerado uma forma de ponto alternativo).

O ponto eletrônico é regulamentado de acordo com as Portarias 1510 e 373 do Ministério do Trabalho.

É importante ressaltar que apenas as empresas com mais de 10 colaboradores registrados em carteira têm a obrigatoriedade de realizar o registro de ponto.

 

Utilização do ponto eletrônico: 5 principais dúvidas

1. O registro de ponto eletrônico é obrigatório?

Não. O controle de ponto eletrônico é apenas uma maneira de garantir a veracidade dos registros dos colaboradores. Por esse motivo, as empresas que assim desejarem, poderão adotar o sistema, que é regulamentado pelo Ministério do Trabalho através das Portarias 1510 e 373.

2. O registro feito eletronicamente pode ser adulterado?

De acordo com as Portarias 1510 e 373 do Ministério do Trabalho, as empresas que decidem adotar o sistema de registro de ponto eletrônico, devem se atentar às especificações determinadas para que não sofram com produtos que não oferecem segurança.

Sistemas que estão de acordo com a portaria, não permitem adulteração dos dados registrados. Permitem apenas ajustes, com justificativa, que não apagam os dados registrados anteriormente (necessários para fins fiscais). Os sistemas idôneos requerem a justificativa de quaisquer alterações nos parâmetros configurados.

3. O colaborador precisa estar presente para registrar o ponto eletronicamente?

Alguns dos equipamentos utilizados para o registro eletrônico de ponto exigem que o colaborador esteja presente. No entanto, há outros sistemas, como o Oitchau, que oferecem a flexibilidade de o ponto ser registrado usando o próprio smartphone.

Para aumentar a segurança e veracidade dos dados registrado, para bater ponto a empresa pode exigir que o colaborador valide sua localização por GPS, WiFi ou Bluetooth, evitando fraudes de ponto.

4. Como saber as horas trabalhadas de cada colaborador?

Alguns sistemas utilizados para realizar o controle de ponto emitem um extrato ao final do mês para que empresa e colaborador confiram a quantidade de horas trabalhadas, o número de faltas e atrasos, além das horas extras.

Já sistemas mais modernos, como o Oitchau, permitem acompanhar relatórios com dados atualizados em tempo real sempre que quiser, bastando acessar um painel de administração.

Essa é uma das principais vantagens dos sistemas eletrônicos de ponto: a transparência. Tanto o gestor como o colaborador já sabem de antemão a quantidade de horas trabalhadas e o valor do salário.

5. O que acontece quando o colaborador registra o ponto incorretamente?

Ao importar as informações dos registros do colaborador, o responsável pelo RH poderá fazer a anotação sobre o registro que foi realizado incorretamente e justificar a alteração.

 

Empresas e colaboradores podem se beneficiar bastante com a utilização do sistema de ponto eletrônico. Além de segurança, garante flexibilidade, rapidez e transparência nas comunicações.