Vendas por telefone: 11 4210 2846
whatsapp iconVendas no WhatsApp
Custo de um funcionário

Custo de um funcionário: aprenda a calcular

Calcular o custo de um funcionário é importante para as empresas analisarem se os seus investimentos possuem retorno. O cálculo vai além do salário e pode ser um pouco complexo. Ele abarca uma série de parcelas.

Aprenda hoje como calcular o custo dos colaboradores de forma simples e prática.

A partir disso a sua empresa terá maior controle sobre o seu capital humano e sobre os investimentos que faz sobre ele.

O que é custo de um funcionário?

Um colaborador causa gastos às empresas. E isso é natural, eis que ela deve remunerá-lo mensalmente como contraprestação de serviços. A contratação também gera outras obrigações que envolvem tributos e taxas.

Saber o custo de um colaborador permite que você analise como direciona os recursos da sua empresa. Ele é capaz de demonstrar quando um investimento não se faz necessário e quando outro é indispensável.

Custo de um funcionário

Como veremos abaixo, saber o custo de um colaborador não é um bicho de sete cabeças. É preciso ter alguns cuidados simples e ao final você terá em mãos os dados quanto ao investimento que sua empresa faz para mantê-lo.

O que compõe o custo de um funcionário?

Um erro comum é achar que o custo do colaborador se ilustra apenas pelo salário. Esse é um dos componentes desse custo. Ele não é o único e se junta aos tributos, contribuições sindicais e outras parcelas trabalhistas.

Veja alguns desses custos:

  • Salário mensal;
  • Recolhimentos ao INSS;
  • Fundo de Garantia por Tempo de Serviço;
  • Impostos e taxas de acordo com o regime tributário;
  • Adicional de férias (1/3);
  • Décimo terceiro salário;
  • Seguro Acidente de Trabalho;
  • Provisões para eventual rescisão e outros.

Outros valores que somam para o custo de um colaborador são os próprios treinamentos, adaptações e outros investimentos que se voltem a ele:

  • Contratação de professores ou de cursos para treinamentos;
  • Plano de saúde;
  • Plano odontológico;
  • Seguro de vida;
  • Auxílio alimentação;
  • Outros benefícios que você pague por livre e espontânea vontade aos colaboradores ou obrigatoriamente por causa de previsão sindical em Convenção Coletiva (CCT).

Por que calcular o custo de um funcionário?

Existem diversos motivos para calcular o custo dos seus colaboradores. Essa é uma forma de entender se a sua empresa direciona bem os recursos dos quais dispõe.

Confira quais são os fatores mais importantes em saber o custo do pessoal:

  • Poupe gastos desnecessários, economizando ou direcionando melhor os investimentos;
  • Veja outras alternativas para investir o dinheiro da empresa, como em caso de treinamentos online em lugar dos presenciais, etc.;
  • Mantenha sua empresa sempre organizada e com total controle do que acontece dentro dela e do direcionamento de seus recursos.

Em alguns casos a realização desses cálculos pode demonstrar até mesmo quando uma equipe pode ser enxugada. Essa hipótese se apresenta quando o custo de um colaborador não tem correspondência no lucro da empresa.

A melhor solução pode ser a rescisão contratual, o que varia em cada caso e merece análise do caso concreto.

Como calcular o custo de um funcionário?

Isso depende de qual é o regime tributário ao qual a sua empresa se enquadra. Cada regime possui alíquotas próprias sobre as parcelas obrigatórias. Os recolhimentos mudam em relação à porcentagem que se aplica.

Confira nos itens que se seguem quais são esses regimes tributários e o que cada um deles impõe.

Simples Nacional

Esse é o regime que existe desde 2007 e que se voltam às micro e pequenas empresas. Com ele é possível pagar os impostos por uma única guia. Mesmo que eles forem de natureza diferente (federal, estadual ou municipal) são unificados.

O Simples Nacional dá algumas vantagens aos empresários. Elas se revelam na dispensa de pagamentos de parcelas, como:

  • Recolhimento de INSS patronal;
  • Salário do Trabalho;
  • Contribuições ao Incra;
  • Contribuição ao SEBRAE, SENAI ou SESI.

E como calcular o custo de um funcionário para empresa que atua pelo Simples? Para isso é necessário levar em consideração essas parcelas e essas proporções:

  • Fração mensal de férias: 11,11%;
  • 13º salário: 8,33%;
  • FGTS: 8% (fixo para todos os regimes);
  • Provisão de multa para rescisão: 4%.

Note que a provisão para multa, 13º salário e fração de férias entram no cálculo como uma forma de organização. É como se a empresa se adiantasse ao gasto futuro e já fizesse uma reserva para isso.

Custo de um funcionário

Veja um exemplo de como seria o custo para a empresa (sem considerar treinamentos, estrutura e outros quesitos) no Simples Nacional para colaborador que recebe um salário mínimo mensal (R$ 1.100):

  • Fração mensal de férias: 11,11% – R$ 122,21;
  • 13º salário: 8,33% – R$ 91,63;
  • FGTS: 8% (fixo para todos os regimes) – R$ 88;
  • Provisão de multa para rescisão: 4%- R$ 44.

Essas parcelas se somam ao salário para totalizar R$ 1.445,84. Isso sem contar eventuais valores de vale-transporte, auxílio-alimentação e outras parcelas que você pague mensalmente ao colaborador.

Lucro Real ou Presumido

Quem não se enquadra no Simples Nacional atua sob o Lucro Real ou Lucro Presumido. Enquadram-se aqui as empresas que possuem faturamento anual acima de R$ 3,6 milhões.

Algumas das parcelas e das proporções seguem as mesmas diretrizes anteriores. Isso é o que ocorre com o FGTS, a provisão de multa, o décimo terceiro salário e as férias. A eles se somam outras obrigações, confira quais são e sua proporção:

  • Fração mensal de férias: 11,11%;
  • 13º salário: 8,33%;
  • FGTS: 8% (fixo para todos os regimes);
  • Provisão de multa para rescisão: 4%;
  • 2,5% de salário educação;
  • 20% de contribuição patronal do INSS;
  • 1 a 3% contra seguro acidente (depende da natureza do negócio);
  • 3,3% de alíquota de terceiros;
  • 20% para descanso semanal remunerado.

Veja um exemplo com as obrigações da empresa e o custo do funcionário em um exemplo em que ele recebe R$ 1.100 mensais:

  • Fração mensal de férias: 11,11% – R$ 122,21;
  • 13º salário: 8,33% – R$ 91,63;
  • FGTS: 8% (fixo para todos os regimes) – R$ 88;
  • Provisão de multa para rescisão: 4%- R$ 44;
  • Descanso semanal remunerado – R$ 220;
  • Seguro contra acidentes: R$ 11 a R$ 33;
  • Alíquota de terceiros: R$ 36,60;
  • Salário-educação: R$ 27,50;
  • INSS: R$ 220.

Aqui o valor total (considerando as parcelas acima e o salário) é de R$ 1.988,44. Isdso sem contar com os valores de outros prêmios, auxílios (transporte, alimentação), seguros e outros.


Receba o melhor conteúdo de Gestão de Pessoas no seu e-mail

Siga nossa Newsletter

controle-de-ponto-guia-completo
PREÇOS A PARTIR DE APENAS R$ 89/mês

Junte-se a milhares de clientes satisfeitos que fazem a gestão de seus times com Oitchau