Vendas por telefone: 11 4210 2846
whatsapp iconVendas no WhatsApp
Pessoas com deficiência

Pessoas com deficiência: Como melhorar a inclusão?

Dados sobre a inclusão no mercado de trabalho brasileiro apontam que o país tem dificuldade em garantir a empregabilidade de pessoas com deficiência.

As PCDs já somam 45 milhões, segundo o último censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Na prática, significa que elas representam quase 24% da nossa população.

No cenário mundial, atualmente temos mais de um bilhão de pessoas vivendo com alguma forma de deficiência. Uma em cada sete.

Outro dado importante a ser observado é que oitenta por cento dessas pessoas adquirem sua deficiência entre 18 e 64 anos —  a idade média de trabalho para a maioria — e mesmo assim, elas são 50% mais propensas a estarem desempregadas.

Neste contexto, vimos que as empresas têm, no mundo todo, um promissor desafio em relação a falta de representatividade e políticas específicas voltadas à inserção dessa grande parcela excluída da realidade profissional.

A [falta de] inclusão de Pessoas com deficiência no mercado brasileiro

Os números são expressivos e mostram que precisamos mais do que refletir: agir sobre o assunto o quanto antes.

Apesar dos esforços e artigos diversos sobre as vantagens que a inclusão desses profissionais podem oferecer aos empregadores, muitas empresas ainda não acordaram para essa realidade.

E até entendem a contratação de (algumas) pessoas com deficiência como sendo ‘a coisa certa a fazer’, porém não a veem como parte de uma estratégia na hora de reter talentos, que trará benefícios mútuos e superará até o que pode ser visto apenas como despesas e riscos em potencial.

De fato, no Brasil, no ano de 2016, por exemplo, o mercado de trabalho formal contabilizou a presença de pouco mais de 418 mil de PCDs em atuação, 0.9% do total de carteiras assinadas de acordo com a Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

No entanto, esse número tem muito a ver com as políticas públicas afirmativas e grande incentivo por parte do governo através de deduções fiscais para as companhias que adotarem programas inclusivos. 

Ponto Eletrônico

Reconhecer o problema é o primeiro passo para a mudança

A falta de conhecimento e investimento em diversidade e inclusão coloca as empresas em desvantagem, não somente em relação ao seu capital humano, mas também financeiramente falando.

Não se pode comprar, logo de cara, o equívoco de que é caro para o seu negócio acomodar as necessidades específicas de pessoas com deficiências.

Na verdade, uma pesquisa recente do World Economic Forum, “Getting to Equal: The Disability Inclusion Advantage”, indica exatamente o contrário – quem adota as melhores práticas para empregar e apoiar as PCDs em sua força de trabalho também está superando a concorrência e alcançando retornos financeiros notórios.

O estudo apontou que as organizações inclusivas são em média duas vezes mais propensas a ter retornos totais de acionistas.

Quando se trata de rentabilidade e criação de valor, essas empresas obtiveram uma receita 28% maior e o dobro do lucro líquido no período de quatro anos considerados pela amostra.

Ainda de acordo com a análise, ambientes de trabalho diversos também apresentaram bom desempenho no que diz respeito a retenção de pessoal. Trabalhar nesses locais tornou os profissionais mais conscientes e empáticos.

A rotatividade passou a diminuir – em até 30% – quando o programa de conscientização sobre diversidade e inclusão foi implementado.

Maneiras práticas para promover um ambiente inclusivo para pessoas com deficiência

O investimento em diversidade precisa ser levado a sério, e mais do que simplesmente contratar, a empresa também deve ter a preocupação com a integração dessas pessoas.

Tenha em mente que em muitos casos, esse profissionais são mais criativos para se adaptarem ao mundo ao seu redor e possuem muitos outros pontos fortes como habilidades na resolução de problemas, agilidade, persistência, proatividade e disposição para experimentar novas práticas – atitudes que são essenciais para a inovação.

Separamos mais algumas maneiras que te ajudarão a aprimorar as práticas de contratação de pessoas com deficiência no seu negócio:

1. Peça ajuda

Um dos desafios que as empresas relatam ao considerarem a contratação de pessoas com deficiência é em relação a onde encontrar mão de obra qualificada.

Logo em seguida, a dúvida recai sobre como adaptar seu espaço físico e todas as demais questões para receber esses profissionais. Hoje, existem diversas ONGs e consultorias de nicho no mercado lideradas por PCDs, a dica é escolher um público alvo e investir.

Por exemplo, comece procurando por grupos de apoio e se informando sobre quais são as suas angústias, essa atitude vai te orientar a lidar melhor com todas as especificidades.

2. Viés inconsciente

Será que os seus processos de recrutamento e seleção estão desencorajando os candidatos com deficiências ou limitando sua capacidade de demonstrar seus pontos fortes?

Essa é a hora de rever o modo de contratar, o mesmo também se aplica ao desenvolvimento e treinamento pensado para todos os trabalhadores.

Para garantir a empregabilidade e, ao mesmo tempo, que as PCDs se sintam representadas em seu local de trabalho, além da contratação, os empregadores devem implementar práticas que incentivem e lidem com as problemáticas diárias dessa minoria.

3. Invista na conscientização

Ajude todos os colaboradores, especialmente qualquer pessoa em um cargo de gerência ou supervisão, a entender os desafios que as pessoas com deficiência enfrentam, contribuindo com possíveis soluções.

Um pequeno esforço extra nessa área ajudará a criar um ambiente de trabalho em que todos possam internalizar que descobrir maneiras de se adaptar ao novo não é um ônus apenas de quem tem alguma deficiência, mas uma responsabilidade conjunta.

O principal objetivo desse treinamento é promover a empatia e reduzir o estigma de ser incapacitado.

4. Por que não virar uma referência no assunto?

Criar uma cultura e comunidade de apoio mútuo tem um custo quase zero e um ganho inestimável em talento e relevância para qualquer negócio.

Vale a pena investir em iniciativas de orientação e coaching, bem como programas de qualificação e reciclagem, para garantir que esse público continue crescendo não somente em números.

Além disso, é importante ter uma meta estabelecida de que as pessoas com deficiência devem ocupar cargos em todos os níveis, incluindo altos cargos de liderança, visando também exportar esse conhecimento para a comunidade.

Entenda como é possível contribuir para que o mercado tenha mais inclusão para PCDs

Primeiramente, é necessário entender que para que a inclusão seja uma realidade no ambiente corporativo, todos devem ser responsáveis. E tal entendimento acontece em passos simples, que todos conseguem inserir em suas rotinas, independente do papel ou cargo que pertencem.

Antes de falar sobre os passos, é importante salientar que não é necessário seguir um roteiro em sequência, pois as ações podem acontecer em ordem variada, ou simultaneamente. O mais importante nesse momento, é que elas sejam feitas.

Reconheça que a inclusão e diversidade são temas necessários na empresa

Esse é o primeiro passo, onde as barreiras sociais que as PCDs normalmente encontram uma dificuldade maior, seja para seu acesso, para oportunidades no mercado de trabalho, até mesmo para educação formal.

Em função dessas barreiras, que muitas pessoas crescem com pouco ou até mesmo nenhum convívio com pessoas que tenham deficiência, tanto no ambiente de trabalho quanto no estudo. Logo, é uma discussão que não é constante em nossa rotina.

No entanto, é preciso entender que é uma pauta importante no ambiente corporativo. Onde, acima de tudo, devemos estar preparados para saber como lidar como uma determinada situação que nos leve a convivência com PCDs.

Uma forma interessante de inserir essa questão nossa rotina é tratar a inclusão com uma questão prioritária e muito necessária. Vamos te levar a uma reflexão nesse momento: Hoje, se entrasse uma PCD na equipe de trabalho, como seria o seu tratamento? E como você poderia adequar o ambiente de trabalho?

Após refletir por alguns segundos nos questionamentos realizados, é possível perceber que não estamos preparados para esse tema, e esse é o primeiro passo para começar uma mudança, no sentido de promoção da inclusão.

Respeite às diferenças humanas

Existem diversos fatores que fazem com que cada pessoa enxergue o mundo de uma forma, além de influenciar na forma com que nossas decisões são tomadas. Independente do aspecto que seja abordado, no momento em que falamos sobre diversidade, a palavra-chave sempre será o Respeito.

Para que seja possível manter as relações humanas de uma forma saudável, não são necessários o entendimento e a concordância sobre todas as situações, já que as pessoas pensam diferentes, e tiveram vivências diferentes.

E com isso, acabamos, mesmo que de forma inconsciente, associando à contextos negativos a PCD, levando a baixas expectativas, fazendo com que ação executada corretamente seja supervalorizada. Pessoas PCD não devem ser consideradas “coitadinhas”.

Para que esse tipo de comportamento não aconteça, devemos aprender a conviver com as diferenças entre os indivíduos, e principalmente respeitar aquilo que você ainda não concorda, ou ainda teve a oportunidade de conhecer.

Valorização das diferenças e aproveitar seus ensinamentos

Chegamos ao terceiro passo, onde já estamos reconhecendo que existe uma necessidade latente de inclusão na sociedade, e como construir relações baseadas em respeito. Agora, chegou o momento de entender como aproveitar as diferenças em prol da empresa.

O envolvimento de pessoas PCDs em processos, debates e rotinas é importante para que a sua visão seja acrescentada, em papéis em que seja possível aproveitar toda sua experiência e vivência para algo que realmente possa ser interessante para a empresa.

Um dos primeiros impeditivos para a inclusão é o medo de errar, sejam das pessoas ou das empresas. Uma pessoa que não tem convivência com uma pessoa deficiente tem medo de falar algo que possa parecer ofensivo, ou que cometa algum tipo de gafe. E com isso, são criadas as primeiras barreiras.

As relações com PCDs precisam ser naturalizadas, e tratadas como apenas mais uma característica, que uma pessoa pode ter ou não. No entanto, é importante usar o bom senso, não apenas com PCD mas com todas as pessoas.

Veja também: Como é o perfil dos profissionais millennials?

Gostou das dicas sobre inclusão? Deixe o seu comentário e compartilhe estas dicas em suas redes sociais! Siga-nos também no Instagram!

Receba o melhor conteúdo de Gestão de Pessoas no seu e-mail

Siga nossa Newsletter

controle-de-ponto-guia-completo

Instagram

Instagram has returned empty data. Please authorize your Instagram account in the plugin settings .
PREÇOS A PARTIR DE APENAS R$ 89/mês

Junte-se a milhares de clientes satisfeitos que fazem a gestão de seus times com Oitchau