Bullying no ambiente de trabalho: O que fazer?

Certamente você já ouviu histórias sobre bullying no ambiente de trabalho: aquele momento em que um ou mais colaborador faz piadas ou críticas a outro, tornando-o alvo de risadas e, até mesmo, de rejeição pelos demais colegas.

Na verdade, o conceito de bullying é o conjunto de práticas que tem como objetivo ridicularizar e banalizar uma pessoa perante outras.

Bullying no ambiente de trabalho é considerado assédio moral pela lei e, por isso, o ato é passível de punição para quem o pratica e até para a empresa, quando esta não toma medidas para que a prática seja repudiada.

Além da questão legislativa, o bullying é extremamente nocivo dentro de uma empresa, resultando na insatisfação dos colaboradores e perpetuando uma imagem negativa da organização no mercado de trabalho.

Cabe ao gestor e aos profissionais de RH prevenir que o assédio moral aconteça e, se acontecer isoladamente, cortar o mal pela raiz.

Conheça abaixo as consequências do bullying para quem o sofre e como identificar que o assédio moral está acontecendo na empresa.

Entenda as consequências sobre a prática de bullying no ambiente de trabalho

Existem diversas consequências sobre o bullying em uma empresa. Confira as principais para cada um dos envolvidos.

Quais as consequências para quem foi agredido?

Após a ocorrência de humilhações e intimidações no ambiente de trabalho, o colaborador que sofreu com o bullying, pode sofrer com:

  • Baixa autoestima;
  • Insônia;
  • Estresse;
  • Ansiedade;
  • Choro frequente;
  • Alterações no humor;
  • Sensação de perseguição constante;
  • Insegurança.

Além dos sintomas que foram relatados anteriormente, ainda existe as patologias, que acabam se tornando mais comuns, como:

  • Cefaleia;
  • Dores musculares;
  • Gastrite;

E devido todos os fatores citados, quem sofreu a agressão com o bullying acaba tornando-se mais introvertido, reduzindo sua produtividade e aumentando as faltas no trabalho.

Os colaboradores que foram alvo de bullying, necessitam de um acompanhamento psicológico para conseguir se recuperar, levar a autoestima, melhorar sua confiança e motivação.

A empresa precisa prestar todo o apoio necessário para que o colaborador tenha uma recuperação plena, incluindo medidas de proteção interna, acompanhamento psicológico, afastamento (quando indicado clinicamente), entre outros. Tudo que estiver ao seu alcance enquanto empresa para que esse funcionário consiga superar o trauma vivido.

Quais as consequências para a companhia?

Para as empresas, as consequências para essa situação são graves, pois além da redução da produtividade de um colaborador, pode acontecer de perder alguns bons profissionais. E com isso, reduzir toda a capacidade produtividade de uma equipe ou de área inteira.

Além disso, as faltas no trabalho acabam elevando os custos internos. E ainda é possível que a empresa enfrente processos judiciais trabalhistas. A comprovação do bullying no ambiente de trabalho pode ser feito através de testemunhas, mensagens em aplicativos de mensagens, cartas e/ou e-mails.

Se a vítima da agressão não tenha sido apoiada pela empresa, ela ainda pode exigir a indenização por danos morais, onde o valor pode sofrer variações, mediante a gravidade da situação.

Nesse caso, a empresa ainda deve levar em consideração sua reputação no mercado, pois com um processo em andamento de bullying no ambiente de trabalho, pode contar bastante para afastar fornecedores e clientes, dependendo da ocorrência. Gerando irreparáveis para sua imagem.

E para o agressor, quais as consequências?

A empresa tem o direito de demitir o agressor por justa causa, e ainda responder por processos disciplinares, por danos morais e materiais, dependendo da situação ocorrida. Com isso, o agressor terá sérios problemas para conseguir uma nova colocação no mercado de trabalho, e ainda enfrentar processos judiciais.

No entanto, tais medidas não irão solucionar as situações que já foram vivenciadas por quem foi vítima da humilhação e/ou intimidação. Porém, é uma forma de prevenir que outras pessoas não passem pelas mesmas situações.

Como identificar o bullying no ambiente de trabalho?

O bullying no ambiente de trabalho acontece com muito mais frequência do que se pensa e deve ser tratado com a seriedade (e severidade) que merece.

Como mencionado anteriormente, geralmente o assédio moral começa com pequenas brincadeiras e comentários totalmente inadequados e que, se não cortados, progridem para constantes ataques.

Veja abaixo alguns sinais que podem indicar que o bullying está acontecendo dentro da sua empresa:

  • Piadas ou comentários ofensivos dirigidos à uma característica física ou comportamento de um colaborador.
  • Fofocas e boatos espalhados pelo trabalho sobre um colaborador. Geralmente, são inverdades contadas com o objetivo de ridicularizá-lo;
  • Humilhações vindas de outros colegas ou de superiores. Em geral, essas humilhações ocorrem na frente dos demais colegas ou são contadas a todos depois que acontecem.
  • Apelidos ofensivos também relacionados a características físicas ou comportamentos do colaborador;
  • Exclusão e desprezo dirigidos a um colaborador, independentemente do motivo. O ambiente de trabalho não é lugar para intrigas de adolescentes!
  • Situações em que o colaborador se sente humilhado;

Se você identificou uma ou mais situações descritas acima no seu trabalho, é hora de tomar uma atitude assertiva e acabar com a prática antes que isto envenene a empresa.

O que fazer para acabar com o bullying na empresa?

Primeiramente, é preciso deixar claro que não há absolutamente justificativa alguma para a prática do bullying.

Partindo deste princípio, o passo inicial para acabar com o assédio moral no trabalho é criar uma política assertiva de intolerância ao bullying no ambiente do trabalho.

Para que essa política de intolerância seja compreendida por todos, é preciso que seja feita de forma clara, descrevendo os casos em que os envolvidos serão advertidos ou punidos.

Outra medida importante é abrir canais de comunicação para que os próprios colaboradores possam denunciar os casos de assédio moral. Permita, inclusive, que as denúncias possam ser feitas anonimamente.

O mais importante é que tudo se aprende pelo exemplo. Portanto, ofereça treinamentos corporativos aos seus líderes periodicamente para que eles mesmos sejam capazes de identificar os casos de bullying e tomar as providências cabíveis para cortá-los.

Os colaboradores também devem passar por treinamentos que reforcem a união e o trabalho em equipe.

Para o gestor e o profissional de RH o bullying na empresa deve ser algo inaceitável. Contribua ativamente para o equilíbrio no ambiente de trabalho evitando que o assédio aconteça.

Veja também: Demissão por justa causa e direitos mantidos pelo colaborador

Gostou das dicas sobre bullying no ambiente de trabalho? Deixe o seu comentário e compartilhe estas dicas em suas redes sociais! Siga-nos também no Instagram!

Oitchau - Registro de ponto por reconhecimento facial
PREÇOS A PARTIR DE APENAS R$ 300/mês

Junte-se a milhares de clientes satisfeitos que fazem a gestão de seus times com Oitchau