Controle de Ponto e RH - Gestão de Pessoas

Bullying no ambiente de trabalho, o que fazer?

Certamente você já ouviu histórias sobre bullying no ambiente de trabalho: aquele momento em que um ou mais colaborador faz piadas ou críticas a outro, tornando-o alvo de risadas e, até mesmo, de rejeição pelos demais colegas.

Na verdade, o conceito de bullying é o conjunto de práticas que tem como objetivo ridicularizar e banalizar uma pessoa perante outras.

Bullying no ambiente de trabalho é considerado assédio moral pela lei e, por isso, o ato é passível de punição para quem o pratica e até para a empresa, quando esta não toma medidas para que a prática seja repudiada.

Além da questão legislativa, o bullying é extremamente nocivo dentro de uma empresa, resultando na insatisfação dos colaboradores e perpetuando uma imagem negativa da organização no mercado de trabalho.

Cabe ao gestor e aos profissionais de RH prevenir que o assédio moral aconteça e, se acontecer isoladamente, cortar o mal pela raiz.

Conheça abaixo as consequências do bullying para quem o sofre e como identificar que o assédio moral está acontecendo na empresa.

 

Consequências do bullying no ambiente de trabalho

A maioria dos casos de bullying que acontece dentro ou fora do ambiente de trabalho começa como uma simples brincadeira de mau gosto.

No entanto, existe o limite de uma brincadeira feita no momento inadequado e o desrespeito gratuito a um colega de trabalho é muito tênue e varia de acordo com os valores de cada indivíduo.

Dessa forma, o que pode ser “engraçado” para um, talvez seja totalmente desrespeitoso para outro, principalmente quando a “piada” é direcionada a uma característica física ou comportamento de um colaborador.

Por este motivo, toda e qualquer brincadeira que tenha como objeto o outro deve ser desencorajada e repelida.

Obviamente, o gestor e os profissionais do RH não estão em toda parte o tempo todo e, por este motivo, talvez não percebam o exato momento em que o perigo do bullying ronda o trabalho.

Uma análise profunda do perfil comportamental dos colaboradores pode indicar os colaboradores que estão mais propensos a praticarem o bullying, mesmo que não percebam que o estão fazendo.

Para o colaborador que é alvo de assédio moral no trabalho, a vida se torna muito mais difícil: além do desencorajamento natural devido ao bullying, o constante ataque pode trazer ainda mais danos emocionais e começar a prejudicá-lo também em sua vida pessoal.

Em muitos casos, o ressentimento de sofrer o assédio moral se volta também à empresa, que nada fez para impedir que o bullying ocorresse. Quando o colaborador tem provas concretas do ocorrido, a empresa também se torna responsável e pode ser obrigada a recompensá-lo pelos seus danos morais.

 

Como identificar o bullying no ambiente de trabalho

O bullying no ambiente de trabalho acontece com muito mais frequência do que se pensa e deve ser tratado com a seriedade (e severidade) que merece.

Como mencionado anteriormente, geralmente o assédio moral começa com pequenas brincadeiras e comentários totalmente inadequados e que, se não cortados, progridem para constantes ataques.

Veja abaixo alguns sinais que podem indicar que o bullying está acontecendo dentro da sua empresa:

  • Piadas ou comentários ofensivos dirigidos à uma característica física ou comportamento de um colaborador. 
  • Fofocas e boatos espalhados pelo trabalho sobre um colaborador. Geralmente, são inverdades contadas com o objetivo de ridicularizá-lo; 
  • Humilhações vindas de outros colegas ou de superiores. Em geral, essas humilhações ocorrem na frente dos demais colegas ou são contadas a todos depois que acontecem. 
  • Apelidos ofensivos também relacionados a características físicas ou comportamentos do colaborador; 
  • Exclusão e desprezo dirigidos a um colaborador, independentemente do motivo. O ambiente de trabalho não é lugar para intrigas de adolescentes! 
  • Situações em que o colaborador se sente humilhado;

Se você identificou uma ou mais situações descritas acima no seu trabalho, é hora de tomar uma atitude assertiva e acabar com a prática antes que isto envenene a empresa.

 

O que fazer para acabar com o bullying na empresa?

Primeiramente, é preciso deixar claro que não há absolutamente justificativa alguma para a prática do bullying.

Partindo deste princípio, o passo inicial para acabar com o assédio moral no trabalho é criar uma política assertiva de intolerância ao bullying no ambiente do trabalho.

Para que essa política de intolerância seja compreendida por todos, é preciso que seja feita de forma clara, descrevendo os casos em que os envolvidos serão advertidos ou punidos.

Outra medida importante é abrir canais de comunicação para que os próprios colaboradores possam denunciar os casos de assédio moral. Permita, inclusive, que as denúncias possam ser feitas anonimamente.

O mais importante é que tudo se aprende pelo exemplo. Portanto, ofereça treinamentos corporativos aos seus líderes periodicamente para que eles mesmos sejam capazes de identificar os casos de bullying e tomar as providências cabíveis para cortá-los.

Os colaboradores também devem passar por treinamentos que reforcem a união e o trabalho em equipe.

Para o gestor e o profissional de RH o bullying na empresa deve ser algo inaceitável. Contribua ativamente para o equilíbrio no ambiente de trabalho evitando que o assédio aconteça.