Controle de Ponto e RH - Gestão de Pessoas

Turnover: uma visão geral sobre o que é e como calcular

O fluxo de colaboradores que passam por uma empresa e por qualquer motivo acabam saindo em pouco tempo pode ser um indicativo de que há problemas que precisam de atenção. Também conhecido como turnover, essa alta rotatividade de profissionais é um ponto a ser considerado principalmente se a corporação está tentando atrair novos investimentos, conseguir um empréstimo, apenas planejar seu futuro ou até mesmo vender o negócio.

É importante ressaltar que enquanto a rotatividade de pessoal acontece, os gastos para recrutar bons novos talentos, integrá-los e treiná-los para substituir essas baixas continuam. Ou seja, o impacto do turnover é significativo; Seus efeitos são sentidos na produtividade, na receita da empresa e na satisfação de seus colaboradores.

 

Possíveis causas para a rotatividade

O maior erro das organizações é tentar resumir o alto índice turnover num conceito simples para medir se os seus colaboradores estão felizes ou não, muitas acreditam que trata-se apenas de dinheiro. Quando, na realidade, existem muitos motivos que podem gerar infelicidade.

Uma pesquisa realizada pela consultoria Stanton Chase International, revelou que o trabalhador brasileiro valoriza mais o bem-estar no ambiente do trabalho do que as perspectivas de crescimento da carreira e o próprio salário. A sensação de pertencimento e relacionamento entre os seus pares também foram valores citados, seguidos por um leque de benefícios atrativos como planos de saúde para a família, vale alimentação e/ou vale refeição justos.

A principal causa de rotatividade pontuada foi ter de trabalhar gestores diretos com expectativas irrealistas ou habilidades de liderança ruins: quando o colaborador sente que a gerência não nota o que está sendo feito. 

 

Efeitos negativos no dia a dia

Como citamos mais acima, toda vez que a empresa tem uma baixa, acontece o que é chamado de efeito dominó: é preciso utilizar recursos em recrutamento, contratação e treinamento de um novo colaborador. Na melhor das hipóteses, mesmo quando não há gastos reais com esse movimento, com certeza não há lucros. Lacunas na equipe deixam menos membros para executar o trabalho, isso aumenta o tempo para entrega e cumprimento de metas e a produtividade simplesmente cai.

Mesmo que o ritmo de produção não for afetado, com certeza será às custas de uma sobrecarga de trabalho dos outros colaboradores para preencher esse vazio. E isso não acontece apenas enquanto alguma posição está vaga – essa deficiência não se dissipa completamente até que o novo profissional esteja com 100% da capacidade, o que levará um tempo. Isso aumenta os níveis de estresse do time todo, podendo levar à desistência até dos trabalhadores mais competentes, afinal mesmo eles não conseguem lidar com todas demandas sozinhos.

Do ponto de vista administrativo, a alta rotatividade impacta o crescimento estratégico dos negócios porque ao invés de estar investindo em áreas importantes que geram lucratividade ou prestígio, perde-se muito tempo preocupando com a manutenção dos departamentos em relação a tantas perdas e substituições. Se não for controlada, a rotatividade pode se tornar um problema interminável que, eventualmente, vai levar a organização ao fracasso.


Como calcular o turnover da sua empresa

O primeiro passo para calcular a taxa de rotatividade dos colaboradores é fazer um levantamento de dados atuais para contabilizar com precisão.

Vale a pena separar os dados de acordo com as áreas estratégicas para a empresa, por exemplo:

Por departamento;
Por unidades de negócio;
Por filiais;
Por níveis hierárquicos;
Por tempo de casa.

De forma geral, essa é a maneira mais básica de obter esse uma média:

Número de profissionais desligados da empresa no período de interesse ÷ Número de profissionais ativos na empresa no período de interesse =  Taxa de turnover

Por exemplo, a Acme ltda perdeu 40 colaboradores no ano passado, quando uma nova empresa concorrente atraiu a maioria deles. Durante o mesmo período, a Acme contratou uma média de 500 profissionais. Isso significa que o turnover da empresa foi de 8%.

A medição é costuma ser anual quando se tem o interesse de reportar a rotatividade da empresa no geral. No entanto, também é possível restringir o foco da medição para períodos de tempo mais específicos, como ao fazer o cálculo por departamento, por exemplo. Isso pode atrair a atenção para o fato de as pessoas estarem deixando mais certas partes do negócio.

 

Alguns dados necessários para se estimar o custo da rotatividade 

Rotatividade alta faz mal para os negócios. Tendo mapeado onde, de fato, se “escondem” as falhas, o processo de mudança passa a ser menos complexo.

Faça uma lista com os indicadores abaixo:

  • Média salarial + benefícios das profissões que mais pedem desligamento da empresa;
  • Média do número de dias que a posição permanecerá aberta até ser preenchida;
  • Média salarial do gerente responsável pelo recrutamento e seleção dos candidatos;
  • Custo estimado de publicidade para a posição aberta;
  • Horas estimadas gastas em triagem de currículos;
  • Horas estimadas gastas entrevistando;
  • Total de dias que um líder vai levar para treinar o novo colaborador;
  • Número de dias úteis dos primeiros 3 meses do novo contratado.

 

Algumas companhias, no entanto, precisam lidar com essa realidade

É importante reconhecer que existem empresas e tipos de trabalho com taxas de rotatividade mais altas do que outras. As construtoras, por exemplo, muitas vezes veem trabalhadores entrarem e saírem, já que o trabalho é árduo, tem um grau de perigo e pode ser inconsistente. 

Por conta da pressão, posições de vendas e cargos de atendimento ao cliente também são áreas muito comuns para alta rotatividade em qualquer lugar. Os vendedores geralmente vivem das comissões sobre as vendas realizadas e quando percebem que não estão gerando uma renda compatível com o esperado, facilmente optam por pesquisar opções melhores. No caso do representante de atendimento ao cliente, o estresse é a maior reclamação, pois ele precisa lidar com as demandas – muitas vezes negativas –  dos clientes. Isso produz jornadas extenuantes, não sendo incomum que muitos desses profissionais abandonam seus empregos por causa do burnout e outras síndromes.