Vendas por telefone: 11 4210 2846
whatsapp iconVendas no WhatsApp
burnout

Síndrome de burnout: O que é e como evitar?

Com o passar dos anos começaram a surgir nova doenças ligadas ao emocional humano, que vão além da ansiedade e estresse que já se tornaram bastante conhecidas e que possuem tratamentos diversos.

Uma delas é a síndrome de Burnout, descrita pela primeira vez em 1974, é conhecida aqui no Brasil como síndrome do esgotamento profissional, e se tornou mais familiar após diversos empresários de sucesso serem diagnosticados com ela.

É uma das principais causas de afastamento por doenças no trabalho e pode comprometer severamente o rendimento do colaborador.

Veja a seguir um pouco mais sobre esse assunto!

Mas afinal, o que é a síndrome de burnout?

Como o próprio nome sugere, essa síndrome é um distúrbio psíquico cujas características principais são tensão emocional e stress crônico que se desenvolvem devido às condições de atividades profissionais desgastantes.

O indivíduo acometido pela síndrome do burnout tem suas capacidades físicas, emocionais e psicológicas gravemente impactadas, o que resulta em uma exaustão completa e prolongada.

A síndrome de burnout também pode ser a porta de entrada para outros problemas mais sérios, como a depressão, a fibromialgia, o estresse crônico, faltas no trabalho, perda significativa de produtividade, etc. Nem sempre é fácil de identificar este problema e nem sempre é fácil lançar ações por parte do RH para remediá-lo. É possível, no entanto, preveni-lo.

Quais as atividades mais propensas a desenvolver o burnout?

Todo profissional que tem uma relação interpessoal intensa com sua atividade está propenso a desenvolver esta condição.

Acredita-se que professores, médicos e outros profissionais da área da saúde, profissionais de recursos humanos, bombeiros, policiais, carcereiros e outros agentes penitenciários correm maior risco de desenvolver o esgotamento. No entanto, não é incomum casos de burnout em mulheres que lidam com jornadas duplas intensas que desenvolveram a síndrome.

A incidência da síndrome não é precisa, mas dados apontam que acomete um número grande de pessoas e que cerca de 40% dos profissionais atualmente lidam com altos níveis de estresse diariamente, o que mostra grande deficiência na qualidade de vida dos colaboradores na maior parte da empresas.

Portanto, todos estão sujeitos a desenvolverem o esgotamento profissional, sobretudo nos casos em que o ambiente de trabalho é extremamente competitivo e desequilibrado. Além disso, profissionais cujos perfis também são competitivos podem chegar ao esgotamento com maior facilidade.

Controle de Ponto

Sintomas da síndrome de burnout

Muitas pessoas confundem stress com burnout. Isso acontece porque os sintomas causados pelo stress também estão presentes na síndrome, porém com maior intensidade e trazendo muito mais malefícios.

Vale destacar que a síndrome de burnout está intimamente relacionada a sofrimentos psicológicos causados por nervosismo extremo e que acabam refletindo no físico do profissional acometido pela doença.

Sob este contexto, os primeiros sinais que podem indicar que um colaborador pode estar desenvolvendo o esgotamento profissional são: cansaço excessivo que não desaparece mesmo depois de dormir, tonturas, dores abdominais difusas, ou seja, a pessoa não sabe exatamente onde dói, mas sente dores profundas por toda região abdominal.

Quando acomete, o indivíduo não consegue sair de casa ou até mesmo da cama. A falta de vontade de viver sua rotina diária é um forte indício de que algo precisa ser acompanhado por um médico.

A síndrome burnout ainda pode apresentar outros sintomas (todos de uma vez, frequentemente). Veja abaixo:

Sintomas físicos

  • Dor de cabeça frequente;
  • Inapetência (falta de fome) ou apetite excessivo e descontrolado;
  • Fadiga física e mental.
  • Insônia, lembrando que este termo não significa apenas que a pessoa não consegue dormir durante a noite, mas também que acorda diversas vezes por noite e tem a sensação de estar mais cansada ao acordar do que quando se deitou.
  • Hipertensão;
  • Diabetes;
  • Dores de estômago e outras alterações gastrointestinais;
  • Taquicardia (aumento da frequência cardíaca);
  • Dores musculares.

Sintomas emocionais

  • Distúrbios de concentração;
  • Mudanças repentinas e frequentes de humor;
  • Choro descontrolado e frequente;
  • A pessoa sente-se excessivamente incompetente, insegura e fracassada;
  • Pessimista e com frequentes rompantes de negatividade;
  • Sente-se constantemente derrotada e sem esperança no futuro;
  • Isolamento;
  • Depressão;
  • Baixa autoestima;
  • Irritabilidade.

O que a Lei diz a respeito sobre a síndrome de Burnout?

De acordo com estudo realizado pela ISMA – International Stress Management Association, mais de 95% das pessoas que possuem a síndrome de Burnout não se sentem capacitados para exercício da função.

O que acaba provocando ausência no trabalho (absenteísmo), ou mesmo que esteja presente, não consegue se concentrar (presenteísmo).

É possível requerer o auxílio-doença previdenciário bem como estabilidade provisória, de acordo com a Lei 8213-91. No entanto, é necessário que seja comprovado que a doença possui ligação direta com a profissão exercida.

Tal comprovação descrita em Lei, é algo muito difícil, pois a empresa ainda pode argumentar que se trata de problemas externos e que não tem relação com o trabalho exercido pelo colaborador. Infelizmente, essa é uma realidade para muitos casos.

A melhor solução para casos que necessitem de afastamento, é a apresentação de um laudo médico, indicando o motivo do afastamento do colaborador com uma justificativa, e conversar com a empresa, na tentativa de conseguir que a decisão seja favorável. Se porventura, não for acolhido o pedido, talvez seja o momento de pensar que um novo emprego seja a solução.

Como é diagnosticado e quais os tratamentos?

O burnout é geralmente diagnosticado por um psiquiatra, após extensa avaliação pessoal e investigação profissional do indivíduo.

No entanto, muitos profissionais acometidos pela síndrome não buscam ajuda por acreditarem que seja uma condição passageira e que possa ser resolvida após alguns períodos de descanso.

A condição é grave e se não tratada corretamente, poderá comprometer as capacidades físicas e mentais dos indivíduos por tempo indeterminado. Portanto, a ajuda de familiares, amigos e colegas de trabalho é fundamental para identificar os primeiros sintomas e incentivar o profissional a buscar ajuda o quanto antes.

O tratamento consiste em tomar medicamentos (antidepressivos ou ansiolíticos) combinados essencialmente com a psicoterapia. No entanto, nos casos mais graves, o profissional é orientado a deixar o trabalho, mesmo após o tratamento.

O papel do gestor na prevenção da síndrome burnout

Propiciar um ambiente equilibrado e condições de trabalho justas aos colaboradores é a melhor forma de prevenir o surgimento da síndrome de burnout.

Além disso, o gestor deve ficar atento aos níveis de absenteísmo para que seja capaz de identificar os primeiros sintomas e orientar o colaborador para que busque tratamento antes que o quadro se agrave.

Programas de ginástica laboral, descontos em academias e atividades extras que sejam desejadas pelo colaborador, jornadas de trabalho diferenciadas e outros de ações de saúde e de distribuição de tarefas e responsabilidades podem ser interessantes para a prevenção do problema.

Qual a importância dos momentos fora do trabalho, de prazer e diversão?

Pode parecer até mesmo uma pergunta boba, onde a resposta seria simples, que é muito bom, que é importante. Mas vai muito além disso, é importante adotar um estilo de vida que seja mais saudável, onde a alimentação seja equilibrada, com noites de sono adequadas, assim como praticar atividades físicas, mesmo que seja apenas como hobbies.

Não esqueça de olhar para as pessoas que estão ao seu redor, aquelas que você ama, mas que por conta do trabalho excessivo, você deixou de acompanhar, de sorrir com elas. É necessário esse convívio, um almoço de domingo ou uma reunião durante a semana, para relaxar e rir um pouco.

Se você não tem um animal de estimação, talvez esse seja o momento, escolha o animal que mais tenha a ver com você. Se já tem, procure aumentar o tempo com seu amiguinho, faça caminhadas, brinca mais tempo com ele, que você perceberá a diferença.

Sempre que for possível, deixe as redes sociais de lado, e não cheque seu e-mail a cada 1 minuto para ver se novos e-mails. Estar 24 horas por dia durante 7 dias por semana só vai fazer com que você adoeça muito mais rápido.

Para que você consiga vencer a síndrome de Burnout, é importante fazer apenas uma coisa por vez, e conseguir aceitar o fato de que nem tudo será resolvido de forma imediata. Vencer a síndrome é um esforço diário e permanente, pois é um transtorno que pode ser controlado, porém não tem cura.

Conheça o sistema Oitchau

Entender a síndrome de burnout é importante para compreender os motivos de afastamento e baixo desempenho dos colaboradores. É um problema muito comum nas rotinas das empresas e o RH precisa estar preparado.

Para lidar com problemas mais complexos, automatizar determinados processos é essencial, como é o caso do controle de ponto. A solução Oitchau é efetiva na hora de controlar a jornada de trabalho da sua empresa. Trata-se de uma ferramente 100% on-line, para diferentes tipos de segmentos de negócios, que controla entradas, saídas, horas extras e outras ocorrências de forma simplificada e segura.

Veja as vantagens da solução Oitchau:

  • Gestão da jornada de trabalho (semanal, turnos, flexível, etc.) – veja mais sobre os tipos de jornadas de trabalho nesta página;
  • Sistema integrado com o REP;
  • Ponto eletrônico antifraude e alinhado com todas as disposições legais;
  • Controle de férias (ausências, abono, etc.);
  • Marcação de ponto pelo computador ou dispositivos móveis;
  • Controle de ponto para equipes externas (com rastreamento em GPS em tempo real);
  • Dispositivos de segurança (como reconhecimento facial, por exemplo);
  • E muito mais.

Quer conhecer melhor a plataforma Oitchau? Acesse o site e faça um teste gratuito agora mesmo e conheça melhor esta ferramenta. Acesse este link e saiba mais!

Veja também: Responsabilidade Social Empresarial: Guia completo…

Gostou das dicas? Deixe o seu comentário e compartilhe estas dicas em suas redes sociais! Siga-nos também no Instagram! Acesse o site da Oitchau e conheça outras novidades.

1 comentário

Receba o melhor conteúdo de Gestão de Pessoas no seu e-mail

Siga nossa Newsletter

controle-de-ponto-guia-completo
PREÇOS A PARTIR DE APENAS R$ 89/mês

Junte-se a milhares de clientes satisfeitos que fazem a gestão de seus times com Oitchau