Organograma funcional: como fazer na sua empresa

Um organograma funcional é uma representação gráfica da estrutura organizacional. Essa ferramenta é muito comum no mundo corporativo, afinal muitas empresas costumam disponibilizá-la. Na prática, a estrutura básica consiste em dividir os colaboradores em vários departamentos, de acordo com as especialidades e funções que desempenham na corporação. 

Neste artigo, vamos apresentar dicas de como fazer o organograma de uma empresa de forma funcional. Além de abordar mais aspectos sobre o tema. Acompanhe!

Para que serve um organograma?

Em linhas gerais, um organograma tem a função de servir como uma ajuda visual gráfica, utilizada para esclarecer quem reporta a quem, e quem é responsável pelo quê dentro de uma organização. Por meio dele, é possível visualizar a estrutura completa e como uma corporação se organiza. Seu principal objetivo é a apresentação da hierarquia e como os seus departamentos se relacionam entre si.

Neste sentido, o organograma pode ser desenhado de diversas formas, sendo o seu modelo mais tradicional o vertical, no qual cada departamento da empresa e seus respectivos responsáveis são destacados. Nele, os cargos mais altos são mostrados no topo da estrutura e os demais dispostos de acordo com sua subordinação.

O que é um organograma funcional?

As organizações podem definir a sua estrutura interna com base em muitos fatores, como: tamanho, localização geográfica, a maneira de distribuir os diferentes produtos e serviços oferecidos, etc.

Todas as empresas devem executar o trabalho de determinar essa estrutura, até para que haja uma clara noção de quais áreas se relacionarão ou quem deve se reporta a quem. Neste sentido, o organograma funcional é o tipo mais clássico de estrutura organizacional. Ou seja,  ele consegue representar claramente a hierarquia que existe dentro de uma corporação.

Na prática, as primeiras posições do gráfico são ocupadas pelos cargos mais altos e importantes e, abaixo deles, estão os cargos com uma certa relevância, mas não tanto quanto os anteriores.

É válido lembrar que esse mesmo organograma pode também ser chamado de Clássico. O que diferencia o clássico do funcional são os nomes que aparecem no interior das “caixinhas”. Se estão inseridas as funções de cada colaborador, o organograma é chamado de Funcional; se aparecem apenas as áreas, trata-se do modelo clássico.

Essa departamentalização permite maior eficiência operacional, pois os colaboradores têm suas habilidades e conhecimentos compartilhados dentro do grupo. A essência desse tipo de estrutura é um arranjo no qual os profissionais têm lideranças diferentes para áreas distintas que operam a corporação.

Vantagens

  • A equipe é gerenciada por uma pessoa experiente, com alta capacidade de liderança e habilidades no geral, capaz de entender e revisar adequadamente todo o trabalho produzido;
  • Os membros de um time trabalham melhor entre si, e isso permite o compartilhamento de ideias e conhecimentos diversos, para que, inclusive, aprendam novas habilidades;
  • Os colaboradores têm a chance de serem promovidos em suas áreas, o que pode ser um motivo para permanecerem  e desenvolverem na empresa, diminuindo a taxa de turnover;
  • Devido a exibição clara do nível de experiência dos profissionais, quem tem qualidades “foras da curva” consegue executar tarefas de forma mais rápida, eficiente e com mais confiança, enquanto reduzem os erros relacionados ao trabalho;
  • A natureza clara do plano de carreira na unidade funcional permite que os colaboradores sejam altamente motivados a avançar em suas carreiras, à medida que avançam na hierarquia. Isso os manterá buscando progresso e desenvolvimento;
  • Essa pode ser uma estrutura ideal para PMEs que se concentram em um produto ou serviço, porque é possível maximizar o desempenho incentivando a cooperação entre os pares e diferentes unidades em vários níveis de gerenciamento, por meio de supervisão e coordenação, gerando eficiência operacional e melhorando os níveis de produtividade.

Como elaborar um organograma funcional?

Antes de tudo, é fundamental seguir algumas dicas básicas para que o organograma funcional seja bem feito. Essa ferramenta possui alguns itens que são considerados padrão, independente do modelo escolhido. Geralmente, os organogramas não levam o nome do profissional, mas sim sua função exercida na empresa. Além disso, qualquer modelo deve ser composto por:

  1. Hierarquias: costumam ser representadas de cima para baixo no organograma funcional, mostrando claramente a estrutura de uma corporação. É possível, ainda, desenhar caixas lado a lado em um determinado departamento, a hierarquia horizontal, que correspondem a funções que possuem o mesmo nível hierárquico.
  2. Representação dos cargos: trata-se das conhecidas “caixinhas” —  elas são as responsáveis por citar cada função existente nas áreas.
  3. Linhas de comunicação: os traços que fazem a interligação entre cargos ou áreas da empresa. São essas linhas que vão desenhar a hierarquia.

Além dos itens padrão de qualquer organograma, siga os passos simples abaixo para ter um produto final bem feito e claro para todos os envolvidos com a empresa:

  1. Defina bem todas as funções e cargos do negócio. Lembre-se que, às vezes, acontece de uma mesma pessoa assumir mais de uma posição, por isso não se deve nomear as caixinhas, deixando apenas o cargo disponível.
  2. Aponte, de forma clara, quem está no comando das áreas, de acordo com seu nível de hierarquia. A maneira mais comum de fazer a diferenciação é utilizar cores bem distintas.
  3. Com todas as informações coletadas, oficialize o organograma como documento oficial da organização por meio do RH, Marketing ou área responsável por esse tipo de comunicado. Vale a pena disponibilizar o documento em lugar visível, para que todos tenham acesso e entendam como fazer a sua leitura.

Outras considerações

Cada tipo de estrutura organizacional tem suas vantagens, benefícios e características próprias, não existe uma abordagem que se aplique a todas as empresas. Portanto, o que vai ditar o modelo mais acertado é o seu tipo do negócio.

O foco deve estar sempre em considerar a cultura organizacional e um planejamento estratégico, afinal um precisa atender ao outro. Com base nesses dois itens, é possível analisar melhor não apenas a estrutura, mas quais valores são necessários aos colaboradores, para que se encaixem no modelo adotado.

Para exemplificar, pequenas e médias empresas devem se atentar a estruturas mais simples com baixa hierarquias nos níveis de gestão.

A questão mais importante na hora de criar um organograma funcional é evitar que cargos e funções se sobreponham uns aos outros. Em outras palavras, não esqueça de definir quais são os níveis hierárquicos para que cada colaborador entenda seu papel na empresa.

PREÇOS A PARTIR DE APENAS R$ 300/mês

Junte-se a milhares de clientes satisfeitos que fazem a gestão de seus times com Oitchau